Investimentos

Aportes Constantes x Comprando na Baixa

Série: Estratégias de Investimentos

A estratégia que vence até um deus

A teoria das finanças é, em resumo, a aplicação de conhecimentos matemáticos e teorias intuitivas à realidade prática, em certos horizontes de tempo. Existem inúmeros estudos que compõe estratégias que auxiliam na tomada de decisão. Estas teses observam a realidade, analisam teorias, consultam indivíduos experientes, empregam as mais variadas ferramentas econômicas.

O investidor comum, que analisa de fora do espectro acadêmico e teórico e que possui pouca experiência, muitas vezes não percebe a amplitude dos dados nem sua aplicação durante o tempo, criando regras ou estratégias “óbvias” que nem são tão óbvias assim quando empregadas à realidade, durante um horizonte de tempo coerente. Ele fica enviesado pelo sentimento e ignora o tradicional conhecimento econômico-financeiro.

No objetivo de evidenciar a virtude de um bom planejamento de investimento com aplicações contínuas e mostrar como algumas estratégias podem fazer diferença nos retornos dos seus investimentos, tomei a liberdade de comparar dois panoramas, usando um estudo realizado pela universidade de Yale.

Segundo o artigo duas situações foram contrapostas:

· Investir US$ 100 (ajustado pela inflação) todos os meses.

· Economizar US$ 100 (ajustado pela inflação) a cada mês e só investir quando o mercado estiver em queda, comprando após um mergulho: definido como todos os momentos em que o ativo não esteja no nível mais alto de um histórico recente. Essa compra seria no MENOR preço após o mergulho, se beneficiando de toda subida posterior, ou seja, uma estratégia de Timing.

O ativo em questão: o índice S&P 500 que representa a média das 500 maiores empresas dos EUA.

O gráfico a seguir ilustra todos estes topos históricos (os pontos verdes) e suas MÍNIMAS (os pontos vermelhos) após estes topos — justamente onde o ser onisciente* que acerta exatamente TODOS os timings, aplicaria seus recursos economizados — durante os anos 90, 2000, 2010 e 2020.

Seguindo estes parâmetros, foram calculados os retornos para ambos investidores: timing perfeito x simples disciplina, durante as décadas de 70, 80, 90, 2000, 2010 e 2020.

O gráfico abaixo mostra os retornos das duas estratégias aplicadas ao mundo real. A curva DCA, em preto, mostra o retorno do investidor consistente, a linha azul — Buy the Dip (Compra no fundo) — expõe a divina estratégia de comprar sempre na baixa.

Cuidado para não confundir mergulho com fundos relativos, os mergulhos acontecem após mercados de alta e representam minimas relativas. Teoricamente esse tipo de dado seria de certa forma previsível (não são) portanto há quem defenda esse tipo de abordagem. Por se tratar de um mercado de alta que cai de repente (realizando uma correção) muitas vezes temos vieses psicológicos que nos fazem acreditar que devemos esperar esse tipo de acontecimento — tentando realizar timing.

Seria totalmente descabido realizar um estudo onde o investidor sempre compra na minima e vende na máxima, esse tipo de retorno sim, dificilmente seria batido por estratégias reais.

Incrivelmente a modesta e não sofisticada consistência vence, obtém um retorno expressivamente superior. Davi versus Golias.


Mas por que isso acontece?

A estratégia de comprar sempre no fundo acaba ficando de fora do mercado inúmeras vezes, enquanto espera pelo próximo mergulho. Nesse meio tempo o investidor contínuo vê seus aportes crescerem conforme o mercado evolui, a economia e as empresas crescem e, consequentemente, os lucros destas aumentam refletindo nos preços das ações. Além disso este investidor reaplica os dividendos oriundos da distribuição destes lucros por parte das empresas que ele investiu, distanciando-se cada vez mais daquele que busca o timing certo, estratégia muito “utilizada” (ou no mínimo desejada) por muitos investidores que eu conheço.

Vale lembrar que esse tipo de timing é impossível e qualquer realidade próxima para alguém que busca esse fator, pioraria os resultados deste estudo.

Mantenha regularidade e aproveite o momento de mercado, ou seja, SEMPRE.

*A onisciência é impossível. Não há como saber nem como adivinhar qual é o fundo de um ativo no período em que ele está acontecendo.

Universidade de Yale, OfDollarandData.com, Red Ridge Research
Red News Logo

Abra sua conta

Comece a formar seu patrimônio hoje mesmo com a assessoria da Red Ridge Investimentos e através de uma das maiores plataformas de investimentos do Brasil, a Genial Investimentos - corretora do banco Plural

Invista!
Red Ridge Logo